A ansiedade também afeta as crianças

Será que estamos realmente dando a devida atenção à saúde mental das crianças? Elas precisam ser levadas em conta, quando tratamos deste tema, que é o elemento fundamental da saúde e do bem-estar infantil. Atualmente a saúde mental tem sido muito debatida e é crescente a importância que se tem dado a ela.

A saúde mental, tanto do adulto como da criança,  compreende o bem-estar mental, emocional e comportamental que afeta como as pessoas pensam, sentem, agem, lidam com o estresse, se relacionam com os outros e fazem escolhas.

As crianças com problemas comportamentais, muitas vezes, são mais facilmente identificadas, seja em casa, na escola, ou em outros ambientes que frequentam. Deve-se lembrar que a pandemia do Covid-19 exacerbou muito os desafios que as crianças vivenciaram. A falta de contato humano gerou diversos prejuízos ao desenvolvimento infantil causando problemas físicos, como dificuldades no desenvolvimento da linguagem e também problemas mentais, como a ansiedade.

A ansiedade infantil

Algum grau de ansiedade é normal, em qualquer faixa etária, dizem os especialistas. Ela pode até oferecer benefícios, já que objetiva manter-nos seguros e conscientes. Além disso, podem haver períodos em nossas vidas em que ela pode se tornar mais intensa, e isto também pode ser normal.

Entre os transtornos mentais mais comuns que são diagnosticados especificamente na infância estão: o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), o transtorno de ansiedade e os transtornos de comportamento. Ao se considerar o período específico da pandemia, os níveis de ansiedade em crianças aumentaram consideravelmente, assim como aconteceu com adolescentes e adultos.

Uma em cada quatro crianças e adolescentes ouvidos em estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), apresentou ansiedade e depressão durante a pandemia, com níveis clínicos – ou seja, com a necessidade da intervenção de especialistas. A chamada “síndrome da gaiola”, por exemplo – o medo de ir à escola e de sair de casa – foi agravada durante o período. Ainda aconteceram as perdas e o luto por parentes e amigos que se foram.

Os transtornos de ansiedade em crianças

A ansiedade persistente que afeta a vida cotidiana de uma criança pode ser indicativa de transtorno de ansiedade. Os seguintes sinais podem ser indicativos de ansiedade persistente, especialmente se refletirem mudanças em relação ao comportamento anterior da criança:

  • Distúrbios alimentares (comer muito ou pouco);
  • Dormir mais ou menos do que o habitual;
  • Irritabilidade e raiva;
  • Perda de interesse pelas atividades;
  • Sintomas físicos, como dor de cabeça ou dores de estômago;
  • Resistência em ir à escola ou dormir sozinho.

O importante é sempre validar as emoções e sentimentos dos pequenos, sem fazer julgamentos. Acompanhando os sinais apresentados, é possível observar se a ansiedade se torna incapacitante para a criança. Neste caso, será necessário buscar ajuda profissional.

Os impactos dos transtornos de ansiedade na infância

Os transtornos de ansiedade na infância têm sido associados a um risco aumentado de depressão, problemas de comportamento e abuso de substâncias, de acordo com relatório do Child Mind Institute, organização americana sem fins lucrativos que oferece terapias e outros serviços para crianças com transtornos mentais e para seus familiares.

Um ponto de grande relevância é observar que, entre os adultos com transtornos mentais, 48,4% deles tiveram o início do transtorno até os 18 anos, pois é na infância que as pessoas desenvolvem a sua estrutura mental. Portanto, se o tratamento adequado é feito no tempo certo, garantirá que a criança, no futuro, seja um adulto com boa saúde mental.

O Instituto de Psiquiatria Paulista tem grande experiência em diagnosticar e tratar os transtornos psíquicos – como os de ansiedade – inclusive em crianças. Contamos com psiquiatras que atendem adultos e crianças. É importante estar atento aos sinais, principalmente porque as crianças nem sempre sabem explicar exatamente o que sentem.

Caso tenha qualquer dúvida ou dificuldade neste sentido, agende uma consulta conosco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

#main-content .dfd-content-wrap {margin: 0px;} #main-content .dfd-content-wrap > article {padding: 0px;}@media only screen and (min-width: 1101px) {#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars {padding: 0 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child {border-top: 0px solid transparent; border-bottom: 0px solid transparent;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width #right-sidebar,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width #right-sidebar {padding-top: 0px;padding-bottom: 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel {margin-left: -0px;margin-right: -0px;}}#layout .dfd-content-wrap.layout-side-image,#layout > .row.full-width .dfd-content-wrap.layout-side-image {margin-left: 0;margin-right: 0;} Agendar consulta