Depressão e maternidade: uma conversa difícil, mas necessária

A depressão pode ocorrer logo após a maternidade e não deve ser tabu para que não haja mais sofrimento para a mulher. Vamos falar sobre isso?

A maternidade é tratada como um momento de alegria e magia, mas essa nem sempre é a realidade.

As mudanças no corpo e na vida da mulher são imensas e lidar com isso não é uma tarefa fácil, muito pelo contrário. Os desafios são intensos e diários, podendo fazer a mulher duvidar de si mesma sobre a capacidade de ser mãe, abrindo portas para uma depressão.

A delicada relação entre depressão e maternidade

A sociedade parece obrigar as mães a serem eternamente gratas e felizes por terem um filho. Apesar de a gravidez representar um momento especial na vida de muitas mulheres, a responsabilidade da maternidade é grande e romantizá-la ao extremo prejudica a saúde mental das mulheres.

Devido a esse grau de exigência de si mesmas ou em relação aos outros, pode surgir a depressão pós-parto, que caracteriza-se por um estado de tristeza profunda, pensamentos negativos e emoções confusas durante longos períodos após o nascimento do bebê e a consolidação da maternidade.

Entre os sintomas que aparecem na depressão durante a maternidade, estão o pensamento de que a mulher é incapaz de cuidar do seu próprio bebê. Isso provoca crises de ansiedade e tristeza, dificultando que a mulher se torne a mãe que gostaria de ser devido a instabilidades emocionais provocadas pela depressão.

Veja também:
Tudo sobre depressão: causas, sintomas, tratamento e o que fazer

As crises de choro intensas podem ser companhia constante das alterações de humor, misturando tristeza profunda com ansiedade e irritabilidade. Insônia, fadiga e problemas de memória também surgem, junto à visão distorcida de si mesmo em não ser uma mãe boa o suficiente.

Fatores que contribuem para a depressão pela maternidade

Como dito, o nascimento de uma criança e a consequente transformação da mulher em mãe carrega uma intensa carga de estresse. Além das alterações hormonais, as noites de sono não são mais as mesmas e a insegurança e ansiedade podem martirizar a cabeça da nova mãe.

Mulheres que não contam com apoio do parceiro ou familiares podem experimentar ainda mais a depressão na maternidade, principalmente nos casos em que seus exemplos de mãe foram falhos de alguma forma. A vontade de ser uma boa mãe, rejeitando reflexos anteriores pode causar crises de ansiedade e levar a mulher a estados emocionais extremos.

O que fazer para não ser vítima da depressão na maternidade

Procurar manter uma boa estabilidade emocional sozinha pode ser difícil, principalmente em mulheres com casos de depressão na família ou histórico pessoal. 

Por isso, é muito importante contar com a ajuda de um psiquiatra ou psicólogo, sendo estes profissionais muito importantes na escuta ativa das angústias da maternidade, podendo sugerir métodos e tratamentos para lidar com as adversidades e os desafios desta fase. Até mesmo porque a interação mãe-bebê é altamente prejudicada pela depressão, dificultando a criação de vínculo e contribuindo para cicatrizes que podem agravar o quadro.

Terapias em grupo também podem ser uma boa oportunidade de trocas de experiência e compartilhamento, vendo e trocando ideias com mães que possuem dificuldades e angústias semelhantes.

Além disso, é importante manter uma mente ativa, para que a mulher não esqueça da sua identidade pessoal antes de ser mãe. Pode ser fácil perder-se neste papel e esquecer de si mesmo, o que pode fomentar a depressão.

Realizar atividades físicas também é importante para manter o corpo e a mente saudáveis, contribuindo para diminuir os sintomas de depressão. O mesmo vale para a alimentação, que deve evitar alimentos industrializados, açucarados e gordurosos, que tendem a ser altamente ansiogênicos.

Sempre é tempo de buscar ajuda

Tanto as mulheres que engravidaram em meio a um período depressivo quanto aquelas que desenvolveram depressão pela maternidade, precisam procurar ajuda profissional para restaurarem sua qualidade de vida e conseguirem ser as mães que gostariam de ser.

O médico psiquiatra junto às outras especialidades é capaz de orientar a mãe em tratamentos que ajudem a recuperar a autoestima e o brilho da vida. Ajuda é sempre uma boa opção e você pode contar conosco para isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

#main-content .dfd-content-wrap {margin: 0px;} #main-content .dfd-content-wrap > article {padding: 0px;}@media only screen and (min-width: 1101px) {#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars {padding: 0 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child {border-top: 0px solid transparent; border-bottom: 0px solid transparent;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width #right-sidebar,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width #right-sidebar {padding-top: 0px;padding-bottom: 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel {margin-left: -0px;margin-right: -0px;}}#layout .dfd-content-wrap.layout-side-image,#layout > .row.full-width .dfd-content-wrap.layout-side-image {margin-left: 0;margin-right: 0;} Agendar consulta