Estresse pós-traumático: entenda exatamente o que é isso

Às vezes a vida nos surpreende com experiências horríveis e que podem afetar as pessoas permanentemente. Acontece que em algumas pessoas, os efeitos são tão graves que se tornam debilitantes e constituem um transtorno, chamado transtorno do estresse pós-traumático.

Esse transtorno acomete cerca de 15 a 20% das pessoas que vivenciaram alguma experiência de atos violentos e/ou situações traumáticas. Ou seja, se trata de uma condição que pode ser bastante prevalente e que merece a nossa atenção. Aprenda sobre suas formas de manifestação e saiba quando se torna necessário buscar por ajuda.

O que é o Estresse Pós-traumático?

O Transtorno do Estresse Pós-Traumático, ou TEPT, é um distúrbio de ansiedade caracterizado por um conjunto de manifestações físicas, psíquicas e emocionais que pode surgir até 6 meses após uma experiência ou evento traumático na vida do acometido. Em geral, constitui-se de lembranças recorrentes e incontroláveis do evento por, pelo menos, 1 mês. 

Causas

A sua fisiopatologia não é completamente compreendida, mas esses eventos costumam ser eventos que evocam sentimento de medo, impotência ou horror. Muitas vezes se tratam de experiências que colocaram a vida do acometido ou de terceiros em risco. Agressão física, sexual e catástrofes naturais ou provocadas pelo homem são as causas mais comuns de TEPT.

Diagnóstico

O diagnóstico é clínico e deve ser feito por um profissional capacitado, pautado nos critérios estabelecidos pelo Manual de Diagnóstico e  Estatístico de Transtornos Mentais (DSM). 

Além disso, o sofrimento gerado pela experiência vivida deve ser significativo o suficiente para prejudicar o funcionamento social e/ou ocupacional. 

ATENÇÃO: O sofrimento não pode ser atribuído aos efeitos fisiológicos do uso de uma substância ou de outro transtorno médico.

Sinais e Sintomas

sinais e sintomas estresse pos traumatico

Além da exposição direta ou indireta a um evento traumático, o paciente deve apresentar mais que um dos sintomas de cada categoria abaixo por, pelo menos, um mês.

Sintomas de “intrusão” (pelo menos 1 sintoma):

  • Sofrimento psicológico ou fisiológico intenso ao lembrar do evento;
  • Flashbacks ou agir como se o evento estivesse ocorrendo em tempo real;
  • Lembranças recorrentes, involuntárias, intrusivas e/ou perturbadoras;
  • Sonhos perturbadores recorrentes do evento traumático.

Sintomas de “esquiva” (pelo menos 1 sintoma):

  • Evitar pensamentos, sentimentos ou memórias associadas ao evento;
  • Evitar locais, conversas, pessoas ou atividades que possam remeter ao evento.

Sintomas negativos sobre a cognição e humor (pelo menos 2 sintomas):

  • Perda de memória de momentos significativos do evento;
  • Incapacidade persistente de viver emoções positivas;
  • Convicções ou expectativas negativas persistentes e exageradas sobre si mesmo e os outros;
  • Sentimento de culpa em relação a si ou outros sobre causa ou consequências do trauma;
  • Diminuição importante do interesse em atividades cotidianas;
  • Sensação de distanciamento e estranhamento em relação às pessoas;

Reatividade e excitação alteradas (pelo menos 2 sintomas):

  • Irritabilidade e/ou impaciência exacerbadas;
  • Dificuldade de concentração;
  • Hipervigilância;
  • Dificuldade de dormir.

Tratamento

O tratamento consiste em tratamento psicoterápico associado ao medicamentoso. A gravidade do TEPT costuma diminuir com o passar do tempo, porém nunca desaparece e algumas pessoas permanecem gravemente prejudicadas.

Por isso, se você suspeita de algum caso de Transtorno do Estresse Pós-Traumático,  não hesite em pedir ajuda. O tratamento psiquiátrico ou psicológico associado ao tratamento medicamentoso é fundamental para a qualidade de vida de quem possui o transtorno, e de todos à sua volta. 

Fale com um especialista para saber mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

#main-content .dfd-content-wrap {margin: 0px;} #main-content .dfd-content-wrap > article {padding: 0px;}@media only screen and (min-width: 1101px) {#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars {padding: 0 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child {border-top: 0px solid transparent; border-bottom: 0px solid transparent;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width #right-sidebar,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width #right-sidebar {padding-top: 0px;padding-bottom: 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel {margin-left: -0px;margin-right: -0px;}}#layout .dfd-content-wrap.layout-side-image,#layout > .row.full-width .dfd-content-wrap.layout-side-image {margin-left: 0;margin-right: 0;} Agendar consulta