Quando o estresse do trabalho pode ser a Síndrome de Burnout

A síndrome de burnout, também conhecida como síndrome do esgotamento profissional, está diretamente associada a uma vida profissional desgastante e sobrecarregada, e pode progredir com problemas psicológicos graves.  Cada vez mais comum entre a população economicamente ativa, é necessário que a população entenda a importância de reconhecer os sintomas dessa síndrome e como preveni-la. Leia tudo sobre aqui

O que é a Síndrome de Burnout 

Conceituada em 1970 pelo psicanalista alemão Freudenberger que constatou a síndrome em si mesmo, a síndrome de burnout é definida como um estado de tensão e exaustão física, emocional e mental extrema, cujo motivo primário está relacionado com a atividade/ ambiente profissional.

Muitas vezes é confundida com estresse pela semelhança de sintomas. No entanto, essa síndrome pode resultar num estado de depressão profundo, e por isso seu reconhecimento, assim como buscar ajuda profissional o quanto antes, são fundamentais.

Do inglês “burn” significa queimar e “out” por inteiro ou exterior.

Sintomas

Os sinais e sintomas presentes na síndrome de burnout podem se manifestar tanto física quanto psicologicamente, a depender de cada caso e geralmente quando o indivíduo planeja ou é pautado para objetivos de trabalho em que acredita não ter capacidade suficiente para cumprir.

Os sintomas costumam surgir de forma leve, porém tendem a piorar com o passar dos dias se nenhuma intervenção é feita. Junto ao esgotamento físico e mental, à sensação de impotência e à falta de expectativas, a síndrome de burnout pode cursar com:

– Dores de cabeça;

– Dores musculares;

– Dores abdominais;

– Insônia;

– Dificuldade de concentração;

– Alterações na apetite;

– Negatividade;

– Isolamento;

– Nervosismo;

– Alterações súbitas de humor;

– Pressão alta;

– Irritabilidade e/ou tristeza;

– Apatia;

– Anedonia etc.

Nesses casos, é importante salientar que o problema não surge por conta de uma falha pessoal, e sim como consequência de uma incompatibilidade entre o relacionamento do indivíduo com a sua atividade profissional, seja pelo volume de trabalho, pela falta de reconhecimento pessoal ou da equipe, pela incompatibilidade de valores etc.

Fatores de risco

sindrome de burnout sintomas

A prevalência da síndrome de burnout ou esgotamento profissional ainda é incerta, porém cerca de 40% dos profissionais atualmente expressam altos níveis de estresse. Sabe-se que, no Brasil, profissionais na área de saúde, professores e policiais têm maior propensão a desenvolverem esta síndrome.

A dedicação intensa ao trabalho, que progride com descaso às necessidades pessoais (comer, dormir, sair com os amigos etc.) podem representar as primeiras fases da síndrome.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico da síndrome deve ser realizado através de anamnese e exame clínico adequado por um profissional especialista de saúde mental, seja ele psicólogo ou psiquiatra. Em relação ao tratamento, esse deve ser individualizado, podendo ser necessária a associação de medicação e psicoterapia.

Como muitas pessoas acreditam ser normal fases de maior estresse vinculadas ao trabalho, é comum elas acabarem negligenciando a situação e não enxergando que necessitam de ajuda profissional. Nesses casos, amigos e familiares podem ser bons pilares para indicar sinais de que o indivíduo precisa de ajuda.

Como prevenir a síndrome de burnout

A melhor forma de prevenir o desenvolvimento dessa síndrome é através da inclusão na sua rotina de estratégias de redução do estresse e da pressão do trabalho.

Essas estratégias podem incluir: atividades físicas regulares; realização de atividades de lazer e que “fujam” da rotina diária; participar de atividades de lazer com amigos e familiares; conversar com alguém de confiança sobre o que está sentido; evitar uso de álcool ou outras substâncias que podem aumentar a confusão mental etc. 

Além disso, é fundamental que haja uma rotina de sono e descanso diário adequado. Ou seja, é necessário encontrar um equilíbrio entre o trabalho, lazer, família, vida social e atividades físicas.

Se identificou com os sintomas ou conhece alguém assim?

Se acha que você ou algum conhecido seu pode estar sofrendo de Síndrome de Burnout, não hesite em procurar ajuda. Conte com a Psiquiatria Paulista para preservar a sua saúde e marque uma avaliação aqui.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

#main-content .dfd-content-wrap {margin: 0px;} #main-content .dfd-content-wrap > article {padding: 0px;}@media only screen and (min-width: 1101px) {#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars {padding: 0 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child {border-top: 0px solid transparent; border-bottom: 0px solid transparent;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width #right-sidebar,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width #right-sidebar {padding-top: 0px;padding-bottom: 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel {margin-left: -0px;margin-right: -0px;}}#layout .dfd-content-wrap.layout-side-image,#layout > .row.full-width .dfd-content-wrap.layout-side-image {margin-left: 0;margin-right: 0;} Agendar consulta