O que são as doenças psicossomáticas?

Entenda o que são as doenças psicossomáticas, como se manifestam, seus sintomas, quais as principais e o que fazer para tratá-las.

Você já ouviu falar sobre as doenças psicossomáticas? O que significa isso?

Muitas pessoas falam sobre como saúde mental e física estão, sim, associadas. Porém, seria a nossa mente capaz de nos tornar fisicamente doentes? Entenda mais sobre isso, aqui. 

O que é uma doença psicossomática?

As doenças psicossomáticas são dores e problemas físicos no corpo causados por sofrimento emocional, representando a ligação direta entre a saúde emocional e a física. Ou seja, quando há um sofrimento psicológico, ele pode de alguma forma, acabar causando ou agravando uma doença física.

Esse processo não é consciente e a confirmação do diagnóstico não costuma ser simples, principalmente por se tratar de um diagnóstico de exclusão. Ou seja, todas as outras possíveis causas devem ser investigadas e excluídas antes.  

Também chamado de transtorno de somatização, nesse processo a pessoa costuma apresentar múltiplas queixas físicas, em diferentes locais do corpo e que não são explicadas por nenhuma doença ou alteração orgânica. Geralmente os sintomas se intensificam quando a pessoa se encontra em situações de estresse ou pressão emocional.

O que causa as as doenças psicossomáticas?

Não existe uma causa única para o desenvolvimento de uma doença psicossomática. Seu desenvolvimento depende de uma predisposição pessoal e orgânica, em como o corpo e o psicológico interagem e reagem frente a certas condições ou situações de vida. 

Algumas outras doenças psiquiátricas facilitam o desenvolvimento da somatização, como depressão, ansiedade e estresse e as situações que geralmente estão associadas ao seu desenvolvimento incluem:

Sobrecarga ou problemas profissionais

A vida profissional é um dos principais fatores associados à realização ou ao sofrimento emocional. Pessoas que encontram-se sobrecarregadas, desvalorizadas ou desviadas de sua função podem vir a apresentar doenças psicossomáticas como forma de manifestação emocional.

Inclusive, a Síndrome de Burnout – caracterizada pela exaustão emocional devido a sobrecarga no trabalho – afeta milhares de brasileiros e pode trazer enxaqueca e dores no corpo, junto a sintomas emocionais e comportamentais.

Veja também:
Quando o estresse no trabalho pode ser Síndrome de Burnout

Questões financeiras

Problemas de ordem financeira, seja pela dificuldade em conseguir se sustentar, lidar com dívidas, sofrer grandes perdas ou não atingir o patamar financeiro desejado, podem ser gatilhos para o aparecimento de doenças psicossomáticas.

Ao longo do tempo, devido ao estresse, ansiedade ou tristeza desencadeadas por esses episódios, podem levar o indivíduo a experimentar dores e desordem de origem emocional.

Eventos traumáticos na infância ou na vida adulta

Os eventos traumáticos costumam trazer prejuízos à vida emocional de qualquer pessoa, principalmente naquelas que já se encontram mais fragilizadas. 

Na infância, as crianças podem passar por episódios aparentemente simples, seja na relação com os pais ou na escola, mas que podem gerar sofrimento emocional e levar ao surgimento de doenças psicossomáticas. O mesmo pode ocorrer na idade adulta, através de perdas e rupturas, como a partida de alguém importante, rompimento de um laço afetivo ou desligamento do emprego.

Ainda, traumas como abuso sexual, além de trazerem sintomas emocionais e comportamentais devastadores, que podem perdurar por toda uma vida, também são motivos para as dores de origem emocional.

Depressão, ansiedade ou outros transtornos

Os transtornos mentais afetam diretamente a capacidade de um indivíduo de controlar suas próprias emoções devido ao desequilíbrio provocado pelo sofrimento em que a pessoa se encontra. Isto influi diretamente no organismo, deixando o corpo vulnerável e em uma espécie de sobrecarga, facilitando o surgimento de doenças psicossomáticas.

A ansiedade e a depressão são dois dos transtornos mais comuns e que podem gerar esse efeito. Inclusive, a depressão em idosos, crianças e adolescentes caracteriza-se, como expressão sintomática, pelas doenças psicossomáticas, com dores e desordem de origem emocional.

Veja também:

Tudo sobre depressão: causas, sintomas e tratamento
Ansiedade: tudo sobre o mal do século

Outro exemplo pode vir pela fobia social. Quando a pessoa sente-se exposta a situações de interação, pode sentir dor no estômago e enjoo. Isto pode levá-la a acreditar que possui problemas gastrointestinais. O mesmo pode acontecer com outros desequilíbrios emocionais.

Problemas de relacionamento familiar, amoroso ou amistoso

O primeiro plano relacionamental de qualquer indivíduo é a família e problemas neste âmbito podem gerar sofrimento emocional e, consequentemente, doenças psicossomáticas. 

O mesmo pode ocorrer em relacionamentos amorosos ou em amizades, nas situações em que a pessoa se sinta rejeitada ou não amada o suficiente, por exemplo. Isto pode fazer com que determinadas dores surjam, como forma de manifestação emocional.

ATENÇÃO: Negligenciar essas situações – seja por dificuldade de buscar ajuda ou por achar que é normal – pode agravar os sintomas ou causar outras doenças físicas.

Quais os sintomas das doenças psicossomáticas?

São múltiplas as formas em que uma doença psicossomática pode se manifestar, através de sintomas físicos e psicológicos. Tudo vai depender de qual o sofrimento emocional da pessoa e quais as principais vulnerabilidades do seu organismo. Veja alguns dos sintomas gerais mais observados.

Os sintomas psicológicos mais frequentes incluem:

  • Ansiedade;
  • Irritabilidade;
  • Impaciência;
  • Tristeza;
  • Falta de interesse nas atividades diárias;
  • Exaustão.

Os sintomas físicos mais frequentes incluem:

  • Dor e queimação no estômago, associado ou não à náuseas e vômitos;
  • Constipação ou diarréia;
  • Sensação de falta de ar ou dor torácica;
  • Dores musculares;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Aceleração dos batimentos cardíacos;
  • Dores de cabeça;
  • Alterações na visão;
  • Coceira, ardência ou formigamento com aparecimento ou não de lesões de pele;
  • Queda excessiva de cabelo;
  • Insônia;
  • Dor ou dificuldade para urinar;
  • Mudanças na libido;
  • Dificuldade de engravidar ou alterações do ciclo menstrual.

Quais os tipos de doenças psicossomáticas?

Como é possível perceber através dos sintomas listados acima, são muitas as formas e apresentações das doenças psicossomáticas. Aqui citaremos algumas áreas que podem ser afetadas por elas, bem como que dores ou doenças que podem surgir ou se agravar a partir de um trauma, tensão ou estresse psicológico.

Os órgãos e áreas mais afetadas pelas doenças psicossomáticas são:

  • Garganta: maior vulnerabilidade na região, com facilidade para infecções, dores de garganta e alterações nas amídalas.
  • Músculos e articulações: tensões e dores musculares constantes, em diversas áreas, mas principalmente na coluna, braços, pernas e mandíbula.
  • Estômago: sintomas de úlceras e gastrites, experimentando queimação, dor e enjoos.
  • Intestino: prisão de ventre, dificuldades para evacuar ou diarreia.
  • Coração e circulação: dores e aperto na região do peito, até mesmo com taquicardia ou sensações que podem confundir-se com infarto, além do surgimento ou agravamento do quadro de pressão alta.
  • Pulmões: respiração curta, com falta de ar ou sensação de sufocamento, o que pode estimular a fadiga e o aumento da frequência cardiovascular.
  • Sistema nervoso: diversas alterações podem ocorrer, como alteração do equilíbrio, sensibilidade no tato e na pele, da visão e surgimento constante de cefaleias ou enxaquecas.
  • Pele: sensação de formigamento, ardência ou aumento de sensibilidade, também podendo surgir coceira, como se fosse uma alergia.
  • Região íntima: para as mulheres, alterações no ciclo menstrual, diminuição da libido e problemas de engravidar; para os homens, impotência sexual ou ejaculação precoce.

Como tratar doenças psicossomáticas?

Uma vez feito, ou suspeito o diagnóstico de uma doença psicossomática, é importante que se busque ajuda, para evitar consequências ou agravamentos irreversíveis. O tratamento pode envolver medicações para o alívio de sintomas, no entanto é importante o acompanhamento psicológico ou psiquiátrico associado para o controle do impacto que as emoções causam nos sintomas e para tratar a causa, de fato.

Como prevenir doenças psicossomáticas?

A prevenção de doenças psicossomáticas envolve toda forma que nos ajuda a lidar com os problemas emocionais, seja através da psicoterapia ou de medidas naturais, como meditação e fitoterápicos. A prática regular de atividades físicas, aliada a uma alimentação saudável também é fundamental para a promoção do bem estar e controle emocional. 

Se você se identifica com algum desses sintomas e está sob estresse ou sofrimento emocional, não hesite em pedir ajuda. Seja avaliado por um profissional especialista e descubra como tratar esses sintomas o quanto antes. 

Entre em contato com a nossa equipe de especialistas e marque uma avaliação aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

#main-content .dfd-content-wrap {margin: 0px;} #main-content .dfd-content-wrap > article {padding: 0px;}@media only screen and (min-width: 1101px) {#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars {padding: 0 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child {border-top: 0px solid transparent; border-bottom: 0px solid transparent;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width #right-sidebar,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width #right-sidebar {padding-top: 0px;padding-bottom: 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel {margin-left: -0px;margin-right: -0px;}}#layout .dfd-content-wrap.layout-side-image,#layout > .row.full-width .dfd-content-wrap.layout-side-image {margin-left: 0;margin-right: 0;} Agendar consulta