Saúde Mental – com tanta informação, é preciso filtrar o essencial!

Em momentos de muita busca pelos serviços de saúde mental, como estamos vivendo atualmente, muitos aspectos desta área da saúde crescem em relevância para a população. Neste sentido, muita informação está sendo difundida, muito conhecimento sendo adquirido, mas por outro lado tem havido muita confusão em relação ao que é verdadeiro e eficaz, e ao que não é.

As pessoas têm recorrido às pesquisas online, como forma de entender os sintomas e as indisposições que sentem. Além disso, recebem informações constantemente pelas redes sociais e através de amigos e conhecidos. Isto é bom, pois amplia a sensibilização e difunde a importância da saúde mental, no entanto pode ser preocupante quando a fonte não é segura, ou a informação não tem uma clareza quanto à sua efetividade.

A relevância da internet

De acordo com dados da plataforma Google Trends (serviço do Google que oferece estatísticas em relação aos termos de busca realizados no decorrer do tempo), é possível perceber um forte aumento relacionado aos termos de saúde mental, considerando-se, por exemplo, os meses de maio, junho e julho de 2022. Termos como “mente”, “saúde mental”, “transtorno mental” e “trauma de infância” foram relacionados entre os mais acessados no período.

Ao se considerar o termo “saúde mental”, por exemplo, é possível observar um aumento expressivo nas buscas a partir de junho de 2020, com picos de acessos em janeiro de 2021 e em junho de 2022. Ou seja, a saúde mental se tornou um assunto mais popularizado e com uma tendência de aumento de dois anos para cá. Em grande parte, pode-se dizer que em decorrência da pandemia da Covid-19.

Neste contexto, aconteceu também a proliferação, na internet, de testes e enquetes que objetivam analisar a situação da pessoa em relação à sua saúde mental. Recentemente, um teste de saúde mental da plataforma TikTok ganhou muitos adeptos: em menos de 15 minutos o resultado deste teste indica se a pessoa tem sintomas de depressão, ansiedade ou estresse — e ainda o estágio em que a doença se encontra. Os usuários da rede social começaram então a realizar os testes e a compartilhar os resultados com seus amigos e familiares.

Por outro lado, existem alguns testes com grau de precisão elevado, que foram desenvolvidos por órgãos globais. Estes informam qual é o percentual de acerto, porém, muitas vezes não são os testes mais difundidos. De qualquer maneira, é importante ter em mente que o diagnóstico de uma doença mental deve ser feito por um especialista, que é o profissional habilitado para fazê-lo.

O teste SRQ-20

O SRQ-20 é um teste desenvolvido a partir do Estudo Colaborativo em Estratégias para Atendimento em Saúde Mental, conduzido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), na década de 1970. No Brasil, ele foi validado com sensibilidade de 80%, ou seja, seu resultado é confiável.

O teste é composto de um questionário de 20 perguntas bem simples, com possibilidade de resposta “sim” ou “não”, que ajudam a identificar a possibilidade de transtornos emocionais, como depressão e ansiedade. Ele não é um teste diagnóstico, mas é uma boa maneira de conferir se os sintomas são normais, ou se há algum possível desequilíbrio. Sua realização leva menos de cinco minutos, e o resultado sai na hora.

O Instituto de Psiquiatria Paulista disponibiliza este teste, que pode ser realizado clicando neste link: Teste SRQ-20.

Outras recomendações de leitura

Além do teste SRQ-20, indicamos a seguir alguns artigos que podem colaborar para um melhor entendimento sobre a mente humana, sobre como alguns transtornos mentais funcionam e com dicas para a melhoria da saúde mental.

O Instituto de Psiquiatria Paulista tem grande experiência em diagnosticar e tratar diferentes síndromes e transtornos. Não deixe a sua saúde mental de lado! Invista em seu bem-estar e qualidade de vida, buscando informações com quem realmente pode sanar suas dúvidas. Caso sinta necessidade, agende uma consulta conosco.

#main-content .dfd-content-wrap {margin: 0px;} #main-content .dfd-content-wrap > article {padding: 0px;}@media only screen and (min-width: 1101px) {#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars {padding: 0 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child {border-top: 0px solid transparent; border-bottom: 0px solid transparent;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width #right-sidebar,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width #right-sidebar {padding-top: 0px;padding-bottom: 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel {margin-left: -0px;margin-right: -0px;}}#layout .dfd-content-wrap.layout-side-image,#layout > .row.full-width .dfd-content-wrap.layout-side-image {margin-left: 0;margin-right: 0;} Agendar consulta