Tristeza: 6 coisas que você pode fazer quando ela vira rotina

Sentir tristeza é normal. Assim como qualquer outro sentimento, como a alegria, ela faz parte da nossa experiência como seres humanos. Ela pode ser crucial para tomada de decisões importantes, impulsos para uma virada ou ainda percepção de valores, coisas e pessoas importantes para a gente.

Inclusive, uma dica de filme para entender de forma bem didática o papel da tristeza é o filme ‘Divertidamente’. Ele explica através de um roteiro muito bem amarrado o papel das emoções em nossa vida e por que sentir todas elas é importante.

Entretanto, quando a tristeza começa a ser persistente, pode ser hora de tomar algumas atitudes, mudar alguns hábitos ou até mesmo procurar ajuda profissional.

Neste texto, vamos ajudar você a perceber quando a tristeza precisa de atenção e o que fazer para lidar com ela da melhor forma.

Os limites aceitáveis da tristeza

A tristeza sempre vem, uma hora ou outra. Seja quando se perde um emprego, uma posse ou uma pessoa querida, ao vivenciar o luto que pode durar dias ou semanas, ela vai nos acompanhar durante algum período e será importante no processo de cura emocional.

E quando a tristeza aparece, faz-se necessário senti-la e entender o motivo pelo qual ela está ali, tendo um diálogo franco com o seu sentimento, permitindo que ele cumpra o seu papel. Tentar mascarar a tristeza, enchendo-se de positividade artificial para evitar o sentimento não é o melhor caminho: é melhor senti-la aceitá-la.

Só que quando a tristeza dura semanas e acompanha você o tempo todo, em quase todos os lugares, é sinal de que a sua saúde emocional está prejudicada e precisa de atenção especial.

Veja também:
Depressão: tudo o que você precisa saber

O que fazer para evitar a tristeza persistente?

Uma tristeza que persiste pode tirar o brilho da vida, diminuindo o prazer em atividades que antes eram motivo de alegria e fazendo com que tudo fique mais sem graça. Neste caso, mudar alguns hábitos pode ser uma boa tentativa de fazer as pazes com o sentimento. Veja o que você pode fazer:

  1. Tomar sol com frequência

A luz solar é primordial na nossa saúde. Você já deve ter ouvido falar que países em que a incidência do sol é muito baixa, ficando mais escuro por mais tempo durante o ano, as taxas de suicídio são maiores.

Uma das explicações para isso é que a luz solar ajuda na produção de serotonina, neurotransmissor intimamente ligado à regulação do humor, sendo que sua falta pode indicar depressão. Além disso, a luz do sol também ajuda a regular o sono, que precisa estar em dia para evitar prejuízos à saúde física e mental.

Conheça a Higiene do Sono e a importância de dormir bem

  1. Ter uma boa alimentação

Somos o que comemos e, apesar de alimentos com muito açúcar e gordura parecerem gostosos e alegres, eles podem contribuir para a sua tristeza a longo prazo. Isto ocorre porque esses alimentos proporcionam uma dose rápida de dopamina, como uma droga, e ‘viciam’ o corpo em um hábito não saudável, promovendo liberação de radicais livres no organismo.

alimentos ricos em triptofano – encontrado naturalmente em peixes, oleaginosas, legumes e cacau – ajudam a aplacar a ansiedade e combater a depressão. Portanto, atenção ao prato!

  1. Praticar atividades físicas

Atividades físicas regulares vão ajudar você a manter o corpo e a mente sãos! Além de movimentarem o corpo, contribuindo para a saúde cardiovascular e oxigenação de órgãos e cérebro, exercícios liberam endorfina – neurotransmissor ligado ao bem-estar. Se o exercício puder ser feito ao ar livre, tem o bônus da dopamina!

  1. Ter atitudes de autocuidado

Qual foi a última vez que você olhou para si com atenção? Isto é o autocuidado. As dicas dos tópicos anteriores são formas de autocuidado. Cuidar da alimentação, corpo, aparência e relações sociais ajudam você nessa missão. Pense nisso como um carinho em si mesmo: o que você pode fazer por você que lhe fará bem a longo prazo, não trazendo apenas um prazer efêmero?

  1. Dialogar consigo mesmo

Ouça o que o seu corpo e sentimentos têm a dizer. Muitas vezes há sinais que só conseguimos ouvir após parar e prestar atenção na voz que vem de dentro. Procure entender seus sentimentos (por que estou sentindo isso? Qual a origem? Esse sentimento é mesmo raiva/tristeza/alegria/prazer?).

  1. Buscar ajuda profissional

Nem sempre conseguimos achar uma solução para os nossos sentimentos sozinhos. Conversar com amigos e familiares pode ser uma boa saída, mas nos casos em que a tristeza é duradoura, a ajuda profissional na figura de um psicólogo ou psiquiatra pode ser uma excelente – e necessária – alternativa. 

Esses profissionais vão escutar você com toda a atenção, afeto e responsabilidade, para tentar identificar as possíveis causas e ajudar você em ações que podem resultar em soluções, para que seja possível uma vida mais consciente, com bem-estar e harmonia.

Vamos olhar para nós mesmos com amor e carinho?

A tristeza pode vir e devemos escutá-la e aprender a lidar com ela, mas ela não pode ser aquela visita que não sabe a hora de ir embora. Preste atenção no seu sentimento, modifique alguns hábitos e se precisar, busque ajuda! Trate-se com o amor e carinho que você merece. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

#main-content .dfd-content-wrap {margin: 0px;} #main-content .dfd-content-wrap > article {padding: 0px;}@media only screen and (min-width: 1101px) {#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars {padding: 0 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars > #main-content > .dfd-content-wrap:first-child {border-top: 0px solid transparent; border-bottom: 0px solid transparent;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width #right-sidebar,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width #right-sidebar {padding-top: 0px;padding-bottom: 0px;}#layout.dfd-portfolio-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel,#layout.dfd-gallery-loop > .row.full-width > .blog-section.no-sidebars .sort-panel {margin-left: -0px;margin-right: -0px;}}#layout .dfd-content-wrap.layout-side-image,#layout > .row.full-width .dfd-content-wrap.layout-side-image {margin-left: 0;margin-right: 0;} Agendar consulta